MATÉRIAS E BIOGRAFIAS - CIDADES ROCK AND ROLL: CONHEÇA BARES, PASSEIOS, LOJAS, ESTÁDIOS E OS PALCOS HISTÓRICOS - VOCÊ É ROCK !!

Ir para o conteúdo

Menu principal:

MATÉRIAS E BIOGRAFIAS - CIDADES ROCK AND ROLL: CONHEÇA BARES, PASSEIOS, LOJAS, ESTÁDIOS E OS PALCOS HISTÓRICOS

ESPECIAIS > MATÉRIAS E BIOGRAFIAS

Bares, passeios, lojas, estádios e os palcos que entraram para história do gênero

Londres, Inglaterra

O que Rolling Stones, David Bowie, Queen, The Who, Sex Pistols e The Police têm em comum? Notoriedade, rock'n'roll e raízes em Londres. Com esse peso na história da música, a capital britânica é recheada de marcos do rock, desde a casa de Freddie Mercury, até a famosa Abbey Road. A rua foi atravessada pelos Beatles para uma sessão fotográfica de 10 minutos que entrou para a história: a famosa cena (foto) estampou o álbum da banda, que levou o nome do local e do Abbey Road Studios, onde foi gravado. Não muito longe dali, o Wembley Stadium foi literalmente palco para o notório Live Aid de 13 de julho de 1985, que inspirou a data do dia do rock e reuniu U2, Bowie, Queen, The Who, Paul McCartney e os sobreviventes do Led Zeppelin no mesmo evento. Veja outros marcos musicais da capital no site da Visit Britain

Seattle, Estados Unidos

Seattle, no estado americano de Washington, é a terra natal do guitarrista Jimi Hendrix e do movimento grunge, que no fim dos anos 1980 reuniu bandas como Mother Love Bone, Nirvana, Soundgarden, Alice in Chains e Pearl Jam. Dessas, apenas Pearl Jam e Alice in Chains ainda existem, mas a Urban Adventures e a White Mustache fazem tours musicais pela cidade. O bar e café The Crocodile já recebeu os grupos locais, além de R.E.M. e Mudhoney, e a Experience Music Project (EMP) traz a exposição Nirvana: Taking Punk to the Masses (até abril de 2013) e a mostra permanente Jimi Hendrix: An Evolution of Sound. O túmulo de Hendrix, aliás, pode ser visitado no Greenwood Memorial Park, em Renton

Galeria do Rock, São Paulo

Apontado no Guinness Book of Records como o lugar de maior concentração de estabelecimentos dedicados ao rock, o Centro Comercial Grandes Galerias é mais conhecido mesmo como Galeria do Rock. A partir dos anos 1970, o prédio no Centro de São Paulo, permeado por ateliês de alfaiates e sapateiros, deu lugar às primeiras lojas de discos de vinil, que transformariam o espaço em ponto de encontro de fãs e músicos nos anos seguintes. Em média, 5 mil pessoas circulam diariamente pelos quatro andares da galeria, que já recebeu as ilustres presenças de Bruce Dickinson (vocalista do Iron Maiden) e Kurt Cobain (Nirvana). Atualmente, diferentes tribos urbanas convivem no local

Memphis, Tennessee, Estados Unidos

"Long distance information give me Memphis, Tennessee" ("Informação de longa distância, me dê/me conecte com Memphis, Tennessee"), pede Elvis Presley, citando sua terra natal em música homônima. Na letra, a cidade é sua conexão com uma tal de Marie, mas para os fãs do rock a atração local é o Rei do Rock. É por isso que Graceland, a mansão onde Presley viveu, é a segunda residência mais visitada dos Estados Unidos, só perde para a Casa Branca. Em Memphis também dá para visitar o Rock'n'Soul Museum, o Sun Studio, onde o rock nasceu, e a fábrica de guitarras Gibson (que produz a Les Paul) – e também fazer compras em seu Retail Center

Hard Rock Café

Nova York, Paris e Tóquio são apenas algumas locações para mais de 171 unidades da famosa franquia, que está espalhada em 50 países ao redor do mundo. A marca surgiu em 1971, em Londres. Hoje, as lojas – que são um pouco museu, outro tanto bar-restaurante – exibem uma coleção com mais de 70 mil artigos relacionados à música, como a guitarra Flying V de Jimi Hendrix e a folha de papel com a letra de Help escrita à mão por John Lennon

Liverpool, Inglaterra

Como se sabe, a cidade inglesa deu ao mundo os Beatles. Assim como Hamburgo, seus bares assistiram ao início da história da banda, nos anos 1960, que dois anos depois teria seu primeiro sucesso no Reino Unido, Love Me Do. O Cavern Club (foto) foi um dos bares onde Paul McCartney, Ringo Starr, John Lennon e George Harrison tocaram pela primeira vez (e depois fizeram mais de 300 apresentações). Hoje o reduto fica do outro lado da rua do original, que foi demolido em 1973, mas o local mantém os mesmos tijolos e possui praticamente o mesmo prestígio do primeiro. Conheça a Grã-Bretanha dos Beatles

Rock & Roll Hall of Fame, Cleveland, Ohio, Estados Unidos

O museu abriu em 1995, após 12 anos de construção, e exibe instrumentos, manuscritos originais e seções multimídia com grandes hits do rock. Um ano antes da estreia, Yoko Ono doou vários objetos de John Lennon, como letras de músicas, óculos, uma jaqueta de couro usada em Hamburgo, Alemanha, e a guitarra com a qual tocou no show dos Beatles no Shea Stadium em 1965. O espaço já recebeu mais de 8 milhões de visitantes e, na comemoração de abertura, shows grandiosos de Bob Dylan, Aretha Franklin, Johnny Cash, Chuck Berry, Bruce Springsteen, entre outros

Bethel, Nova York, Estados Unidos

Bethel? O que Bethel tem a ver com rock? Bem, foi na cidadezinha próxima a White Lake, no leste americano, que aconteceu o grande Woodstock Festival em 1969. A fazenda de Max Yasgur recebeu 400.000 pessoas para celebrar "três dias de paz e música". Joe Cocker, Janis Joplin, Creedence Clearwater Revival, The Who e Jimi Hendrix foram trilha sonora para estados alterados de consciência, amor livre e mensagens antiguerra. Seja uma aventura que mudou vidas ou um evento sujo e desorganizado, Woodstock entrou para a história. O panorama dos anos 1960 e fragmentos do festival podem ser visitados no museu de Bethel Woods

Manchester, Inglaterra

A cidade inglesa deu à luz bandas como Oasis, The Smiths, The Fall e Joy Division. O rock alternativo com pinceladas ácidas de Happy Mondays, The Inspiral Carpets, 808 State e The Stone Roses fez parte do movimento punk apelidado de Madchester. Uma vez na cidade, com 6 euros por pessoa, dá pra fazer o Rock ‘n’ Roll Walk. É um tour a pé de duas horas com o escritor C.P. Lee, autor de Like The Night (Revisited), obra sobre o show de Bob Dylan na cidade, no Free Trade Hall, em 1966. Para quem curte um passeio cultural, a Richard Goodall Gallery tem exposições e shows de rock, além de inúmeros pôsteres musicais – que também podem ser comprados online. A programação noturna fica por conta do Night and Day Cafe, recomendado pelo Visit Manchester. Ele se autoproclama o melhor bar de rock’n’roll da Europa e apresenta música ao vivo seis dias por semana

Nova York, Estados Unidos

Nova York tem muitas histórias do rock pra contar. Pelos quartos do hotel Chelsea, passaram Bob Dylan, Janis Joplin, Jimi Hendrix e Sid Vicious, entre outros grandes nomes. A poucos metros de onde Jonh Lennon foi morto, surgiu o Strawberry Fields Memorial, no Central Park. Já nas profundezas do finado clube CBGB & OMFUG (Country, Bluegrass, and Blues and Other Music For Uplifting Gormandizers), Iggy Pop, Velvet Underground, Elvis Costello, Sex Pistols e Ramones fizeram tremer as paredes pichadas desse reduto histórico, onde hoje funciona uma loja. O Madison Square Garden (foto), por sua vez, mantém seu papel histórico de acolher shows lendários de artistas de diversos estilos musicais, entre os quais Led Zeppelin e Pink Floyd

Rock in Rio

Foi no ano de 1985 que a palavra "metaleiro", em referência aos fãs do heavy metal, ganhou as ruas brasileiras, graças às bandas estrangeiras que se apresentaram na Cidade do Rock, montada em Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, para o primeiro Rock in Rio. Em 9 dias do mês de janeiro daquele ano, 1 milhão de pessoas assistiram a 28 bandas e artistas, entre elas AC-DC, B’52, Iron Maiden, Ozzy Osbourne e Queen. Entre as nacionais estavam Barão Vermelho, Paralamas do Sucesso e Kid Abelha. Seis anos depois, a segunda edição do evento reuniu 700 mil pessoas no Maracanã. Apesar do nome, o evento também acontece em Lisboa e em Madrid. A edição brasileira de 2013 já tem dias confirmados: 13, 14, 15, 19, 20, 21 e 22 de setembro


 
 
Comentários
 
Voltar para o conteúdo | Voltar para o Menu principal